Gratidão

Tratar dos pobres é impedir que os pobres tratem de nós

joão pereira coutinho – 02/05/2017

 

Tive bons professores. Um deles foi John Kekes. O nome talvez não seja conhecido como deveria. E o fato de ser conservador não ajuda, embora o seu conservadorismo seja assaz heterodoxo.

Sei apenas que Kekes ajudou a mim: os seus melhores livros, como “The Morality of Pluralism” ou “A Case for Conservatism”, tiveram enorme influência no meu trabalho.

Na passada semana, quando ele regressou a Lisboa para dar aulas no Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica, também eu regressei à condição de estudante para ouvi-lo.

Primeiras impressões: passaram 16 anos, e o filósofo, aos 81, continua na mesma. Curioso: li em tempos que a pintura era a arte que melhor promovia a longevidade. Os grandes mestres, regra geral, atingiram idades respeitáveis. Pintar, sobretudo em pé, ajuda à manutenção da forma física.

Se isso é verdade, os filósofos também não têm razões de queixa. Em dois dias de aulas, foi impressionante ver um homem de 81 anos com uma clareza e intensidade de pensamento que nem sempre encontramos em gente de 30 ou 40.

O seminário, intitulado “The Art of Politics”, pretendeu apontar três erros maiores do liberalismo, entendendo-se por liberalismo a sua versão moderna, progressista, igualitária.

O primeiro desses erros é a crença de que o liberalismo é compatível com o pluralismo. Não é, argumenta Kekes. Se o liberalismo tem como missão fundamental alargar a autonomia do indivíduo, isso significa que o valor da autonomia tem sempre prioridade em relação aos restantes valores.

O pluralismo defende que os valores são múltiplos, incompatíveis, incomensuráveis. O liberalismo, ao conceder prioridade ao valor da autonomia, é uma forma de monismo, não de pluralismo.

O segundo erro é a incapacidade do liberalismo para lidar com o mal. Pior: se o liberalismo está comprometido com o alargamento da autonomia individual, então também estará comprometido com a possibilidade de aumentar a ocorrência desse mal.

O terceiro erro é que a concepção liberal de justiça é uma forma de injustiça (John Rawls foi o alvo). Se a redistribuição de recursos tem em conta aquilo que as pessoas precisam, e não o que elas merecem, a justiça liberal é cega para questões de caráter –e de mérito.

São três argumentos poderosos que convidaram ao debate vivo –e a discórdias várias. No caso, minhas.

Concordo com a primeira premissa: se o liberalismo tem a autonomia individual como valor supremo, isso significa que não é possível aceitar, ao mesmo tempo, a noção de que os valores podem ser incompatíveis e incomensuráveis. Não é possível conservar o bolo e comê-lo.

Porém não subscrevo a ideia contrária de que não é possível garantir a prioridade incondicional de certos valores –valores básicos que protegem a dignidade da natureza humana– em relação aos outros. Sem uma sociedade decente, não há pluralismo para ninguém.

Sobre o mal, o raciocínio de Kekes é de uma lógica exemplar: se a natureza humana é ambígua e se o mal também é cometido por seres autônomos, então o alargamento da autonomia pode significar um acréscimo de mal.

O problema, penso eu, é que uma limitação excessiva da autonomia individual impedirá também o florescimento do bem. E a única forma de limitar o mal –pela lei, obviamente– implica uma sociedade que foi capaz de gerar e proteger os seus bens fundamentais.

Finalmente, a justiça. Concordo com Kekes que o liberalismo, ao redistribuir recursos sem fazer perguntas de ordem moral, é uma caricatura da noção clássica de justiça. Ajudar alguém que sofreu o infortúnio da doença é diferente de ajudar um preguiçoso profissional.

Mas, ironicamente, a minha posição é mais conservadora do que a de Kekes: ajudar quem não merece também pode ser o preço a pagar por uma paz social que a pobreza extrema ameaça. Para repetir o célebre adágio, tratar dos pobres é uma boa forma de impedir que os pobres tratem de nós.

Passaram 16 anos. No final das aulas, cumprimentei o meu velho professor com a sensação melancólica de que talvez não voltaremos a nos ver.

Ele, com um sorriso, disse-me: “Gostei das suas observações”.

Obrigado, professor. Mas elas não existiriam se as suas não tivessem existido primeiro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s