Mais um do querido JPC

Vida horizontal

 joão pereira coutinho – 02/02/2016 02h00
I.

Anos atrás, acordei em um sábado. A família estava reunida na sala. Família toda. Dos parentes mais próximos aos distantes, como num episódio de “Os Sopranos”. Alguns tinham lágrimas. Meu tio disse:

“Estamos aqui porque te amamos.”

Avancei como um animal receoso e ele continuou:

“Podes fingir à vontade. Mas tu sabes que existem problemas.”

Ri, desconversei, murmurei um “pelo amor de Deus” que não convenceu ninguém.

“Sabes que horas são?”, perguntou a minha irmã.

“Dez, onze”, respondi eu.

“São duas da tarde. E tu estás na cama. Que vida é essa?”

“A vida normal de um sábado”, respondi.

“De um sábado, de um domingo, de uma segunda, de uma terça, de uma quarta…”, minha irmã não passou de quarta. Chorava agora, ainda a semana não tinha terminado. E, com ela, chorava eu.

“Este é o r. Ernesto”, disse então o meu tio. “Ele está aqui para te ajudar.”

“Eu não preciso de ajuda”, disse eu, o supremo clichê cinéfilo.

“Toda a gente precisa de ajuda”, avançou o Dr. Ernesto, um gnomo calvo com sorriso de Mona Lisa. “Sobretudo os que pensam que não precisam. Desististe da vida. Estou aqui, estamos todos, para que regresses a ela.”

Limpei as lágrimas, olhei para a minha mãe que me fitava com preocupação e ternura. Disse um “está bem” e, como nos jogos de futebol, a equipe aproximou-se para me abraçar depois do gol.

 

II.

Começaram as sessões. A infância ocupou as primeiras três. A adolescência, as três seguintes. Entediado, o médico tentava encontrar uma pista, um padrão. Uma chave. Nada se abria.

“A que horas te levantaste hoje?”

“Duas da tarde.”

“Não mintas.”

“Três.”

Com frustração crescente, o dr. Ernesto mandou chamar a infantaria. Avançou a mirtazapina; engordei dez quilos. Seguiu-se a fluoxetina; emagreci dez e ainda perdi outros dez. A paroxetina devolveu-me o peso perdido; infelizmente, roubou-me a única parte do corpo que gostava de se mexer com regularidade. Nova reunião de família.

“Não tenho boas notícias”, disse o gnomo, sem o sorriso renascentista. “Com a medicação, a única coisa que conseguimos foi reduzir das duas da tarde para a uma da tarde.”

O meu tio perguntou: “É possível chegar ao meio-dia?”

“Com sorte. Não garanto.”

Havia derrota no rosto da família. A minha irmã, segurando heroicamente as rédeas, formulou a questão que se impunha:

“O senhor pelo menos sabe qual é o problema?”

O médico desceu o olhar, encolheu os ombros e depois de uma longa pausa, arriscou um palpite.

“Em 30 anos de clínica, já encontrei de tudo. Mas este é talvez o caso mais grave de…”

A família inclinou-se sobre as palavras do especialista, que hesitavam em sair.

“… eu posso estar enganado, claro…”, dizia ele, em estratégia de recuo.

“Diga, homem!”, ordenou-lhe a minha irmã.

“Preguiça!”, soltou o desgraçado, como quem se permite a um último suspiro. “Ele sofre de preguiça.”

 

III.

Não é fácil sofrer de preguiça. De todas as doenças, essa é talvez a menos socialmente aceitável. Familiares nunca aceitaram o diagnóstico. Por que motivo ele está no sofá enquanto os outros preparam o jantar? Que horror é esse a lavar os pratos? E que necessidade ele tem de despertar bem cedo, abrir a janela, dizer adeus a quem vai trabalhar –para depois voltar para a cama, dormir mais um pouco, antes de ler e escrever e pensar?

Algumas amizades, alguns amores, não sobreviveram. “Você faltou ao encontro.” “Você não devolve os telefonemas.” “Você ainda se lembra que eu existo?” Quantas vezes eu escutei essas lancinantes frases. E quantas vezes respondi a elas. “Minha doença.”

Descrença. Já pensei em mostrar provas do que afirmo: lombalgias, dorsalgias, pubalgias –há atestados médicos para todas as gias.

Com o tempo, aprendemos que a única forma de lidar com a preguiça é fazer o contrário dos intolerantes: simplesmente aceitá-la. É o meu conselho para quem vive a dor no anonimato e na vergonha.

O ideal, aliás, era criar uma associação para lutar pelos direitos de quem sofre com culpas. Mas como isso dá algum trabalho, minhas desculpas: preciso dormir primeiro sobre o assunto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s